Sejam bem-vindos a esta nossa janela virtual com vista para a Sala do Arco-íris do Jardim de Cruzeiro.

Espreitem e verão aquilo que consideramos como o nosso Portfolio de Grupo, onde descrevemos e revelamos aquilo de mais significativo que fomos fazendo ao longo do tempo.

Sempre com muito prazer e empenho, pois somos 20 crianças de 5 e 6 anos, cheias de energia e vontade de descobrir coisas novas, na companhia da nossa educadora Juca, das duas estagiárias finalistas Patrícia e Filipa, da nossa animadora Amélia, da professora do ensino especial Céu e também da tarefeira Florinda. Mais tarde chegaram à nossa sala três estagiárias do 3º ano, a Cláudia, a Vânia e a Andreia.

Esperamos que gostem da nossa "companhia" e queiram conhecer a viagem que fizemos ao longo do ano lectivo 2008-2009.
Ocorreu um erro neste dispositivo

domingo, 14 de setembro de 2008

O ponto de partida


O ponto de partida e pilar estruturante de todo o trabalho educativo com intencionalidade pedagógica em Educação de Infância, em torno do qual se desenvolvem teorias, investigações e práticas é a imagem da criança, um conceito que tem vindo a evoluir ao longo das últimas décadas.

Em virtude das grandes mudanças sociais ocorridas durante esse período a criança, que era encarada pelos adultos como um ser dependente, passivo, mero receptor da “educação”, que lhe era transmitida sem que tivesse um papel activo nesse processo, passou gradualmente a ser perspectivada como um ser com direitos, dotado de competências próprias.

Esta recriação da imagem da criança tem sido um desafio constante no campo pedagógico, dado influenciar significativamente a forma como se desenvolvem os processos educativos. Vários pedagogos tiveram um papel relevante neste âmbito:

  • Com John Dewey (1859-1952) passamos a ver a criança como um ser activo e com iniciativa; nele encontramos os fundamentos para a Metodologia de Trabalho de Projecto;


  • Com Célestin Freinet (1896-1956) a criança assume-se como um ser cooperativo, que se desenvolve na relação com os outros; este pedagogo está relacionado com o Movimento da Escola Moderna;


  • Em Jean Piaget (1896-1980) a criança aparece como interactiva e capaz de construir conhecimento, base do Currículo High Scope;


  • Já em Loris Malaguzzi (1920-1994) a criança surge com grande capacidade criativa e investigadora, fundamentos para a metodologia de Reggio Emilia.

Assim, a imagem da criança passa de um extremo a outro e, numa perspectiva pós-moderna Oliveira-Formosinho (2008, p. 16) cita Dahlberg, Moss e Pence (1999) quando estes autores vêem a criança como “construtora de conhecimento, de identidade e de cultura (…) participante activa e co-construtora de significado, possuindo agência para levar a cabo tal participação”.

A criança emerge, pois, como um ser com voz própria, a qual deve ser ouvida e tida em conta na tomada de decisões, num contexto de escola democrática e participativa.

A Pedagogia da Infância assim defendida por Oliveira-Formosinho (2007, p. viii) reclama a criança “como ser participante, não um ser em espera de participação”, defendendo o fim de um modo de fazer pedagógico que ignore os direitos da criança a ser vista como competente e a ter espaço de participação.

No entanto, uma proposta construtivista, que aceite esta nova imagem da criança, que fale da “competência participativa e dos direitos a essa participação”, traz consigo a obrigação de promover contextos que a respeitem e sejam coerentes com as ideias defendidas.

São estes os pressupostos defendidos pela Educadora de Infância titular deste grupo-turma e que procurará desenvolver de forma coerente ao longo do ano lectivo, alicerçando os seus conhecimentos em leituras como as que serviram de base a esta pequena abordagem e que foram:
  • Oliveira-Formosinho, J., Kishimoto T. M., e Pinazza, M. A. (2007). “Pedagogias da Infância: Dialogando com o passado, Construindo o Futuro”. Porto Alegre: Artmed.
  • Oliveira-Formosinho (org.) (2008). “A Escola vista pelas crianças”. Porto: Porto Editora. Colecção Infância: Educação em Jardim de Infância.

Sem comentários:

Uma janela para a matemática:

Uma janela para a matemática:

O Jogo da travessia do rio

O Jogo dos padrões 1

O Jogo dos padrões 1
(mais simples)

O Jogo dos padrões 2

O Jogo dos padrões 2
(mais difícil)

O Jogo do galo

O objectivo é colocar 3 em linha, seja na vertical, na horizontal ou na diagonal. E o mais engraçado é que "jogamos contra uma menina que está lá dentro do computador"!

Uma janela para a linguagem e literacia:

Uma janela para a linguagem e literacia:

Vejam aqui os livros virtuais!

Mais histórias no Pré Histórias!

Uma janela para pais:

Uma janela para pais:

Uma janela para os mais crescidos:

Uma janela para os mais crescidos:

Assinem, ao fundo, o nosso Livro de Visitas!

Assinem, ao fundo, o nosso Livro de Visitas!

Blogue anti-cópia!